Sexta-feira, 15 de Junho de 2012

Poema de valter hugo mãe

o homem que já não sou


não me olhes agora que estou
mais velho e não correspondo em
nada ao homem que
amaste, procura encarar a tristeza
sem me incluíres, seria demasiado
cruel que me usasses para a
dor. para ti
quis trazer as coisas mais belas
e em tudo o que fiz pus o
cuidado meticuloso de quem
ama. não me obrigues a cortar os
pulsos quando fores num minuto ao
jardim com o cão

esta noite, sem notares, sustive a
respiração e quase morri. não deste
por nada. julgaste que voltei a
ressonar e até terás esboçado um
sorriso. e se eu pudesse morrer
enquanto sorris, pergunto

deixo para depois, ou talvez
desista. mas não pode ser se
tu me olhares em busca de tudo o que
já não existe. não pode ser, levo a
faca maior para debaixo do meu
travesseiro, juro-te que me
mato se continuares assim

valter hugo mãe

in Contabilidade

publicado por tiagonene às 01:07
link do post | comentar | favorito
|
Tiago Nené

Cria o teu cartão de visita
Tiago Nené, poeta português, editou os livros de poesia: "Versos Nus" em 2007
"Polishop" em 2010
"Relevo Móbil Num Coração de Tempo" em 2012.
Vive em Faro e é advogado.

pesquisar

 

posts recentes

Gestação / Poem In Progre...

Poema inédito: Noto

Poeta Convidado

Um poema inédito: Mobília

Poema de valter hugo mãe

Polishop

Pedro Vieira e o "irmaolu...

"Algarve - 12 Poetas a Su...

Abade de Jazente / Poema

Uma Antologia de Poesia d...

arquivos

Julho 2012

Junho 2012

Abril 2012

Março 2012

etiquetas

crítica

eventos literatura

imagens

poemas de outros poetas

poemas tiago nené

polishop

tiago nené

tiago nené livros

traduções tiago nené

vídeos

todas as tags

links

subscrever feeds

mais sobre mim